Bem vindo(a) a esta viagem pelo espaço virtual!
Faça da minha casa, sua casa...
Usufrua dos meus pensamentos, sentimentos e ações e que isso faça de você seu (sua) melhor amigo(a) e meu (minha) melhor amigo(a)

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Esse vídeo nos faz pensar sobre: Sobrevivência, determinação, inteligência, sagacidade e tantos outros objetivos  que eu tinha que dividir com vocês.

sábado, 4 de dezembro de 2010

                                         Verdadeiras mamães ursas! Emocionante!
 
O que faz uma televisão para um relacionamento!
                    A sinceridade infantil é qualquer coisa de assustadora. A sicnceridade é assustadora, por isso,    máscaras!

                                          Extremos...Pessoas corajosas? Pessoas malucas? Você faria?

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Por algum problema que ainda não descobri não estou conseguindo dispor os vídeos na página que abri para
Filmes e Vídeos.
Até encontrar a solução estarei postando esses vídeos, que recebo por e_mail, nesta página.

 
Fish...Liberdade 

Ele não é um rapaz fácil.


Trem bala, doce de coco, sorvete...Sonho ou já é realidade?


Uma mensagem de coragem como no exemplo vivo dos pássaros.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

 

Eis aqui alguns vídeos que recebo por e_mail e quero dividir com vocês.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Toda Diferença - Temporal




Tempos atuais...O Homem em sua busca eterna olha para fora e não vê o que seu olhar interno insiste em mostrar. Temporal!
Temporal...

Jardim

Portanto, no meu jardim interno todas as pequenas flores são todas assim coloridas, nem tão perfeitas, mas especiais, porque são as flores do meu jardim...




quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Avaliação de Roberto Serafini - Italia - Através do Facebook

 Affascinante la tua pittura, in continuo mutamento, alla ricerca evolutiva come ogni artista mira. Mi piace quell’energia cromatica fantasiosa degli acquerelli, i visi di donna a nocciolo che si ripetono in alcuni; caratteristica importante come i colli di Modigliani per esempio.
Ma la tua mano sa essere anche delicata nei paesaggi marini ove si avverte la gran luce.
Ti definirei un’esploratrice dell’arte in ogni sua possibile applicazione, concettuale, popolare e grafica, ma in tutte le tue opere vi è un denominatore comune che è la tua visione del mondo.
Complimenti a una grande artista.

Tradução:

"Fascinante a sua pintura, mudando, evoluindo, como qualquer artista procura objectivos. Eu gosto que as cores das aquarelas de energia fantástica, a pedra de rostos de mulheres que se repetem em alguns; característica importante como os montes de Modigliani, por exemplo.Mas a sua mão também é conhecido por ser sensível em marinhas onde há a grande luz.És um explorador da arte em todas as aplicações possíveis, conceitual, gráfico e popular, mas tudo que você faz, há um denominador comum que é a sua visão de mundo.Parabéns a uma grande artista"

Grazie per le parole che sono certamente motivo di continuare su questa strada ...

"Muito Obrigada pelas palavras  que serão, com certeza,  motivos de continuidade nesta estrada..."

(Google Tadutor)

domingo, 10 de outubro de 2010

Lady na tarde de inverno

Aquilo que se sente numa tarde de inverno, num banquinho da praça vazia, cabe apenas aos coração.
Aquilo que se sente numa tarde de inverno, num banquinho da praça vazia, não diz respeito ao que se vê.
Aquilo que se sente numa tarde de inverno, num banquinho da praça vazia, está pleno em si...

sábado, 2 de outubro de 2010


Tardes de praia, tardes de instrospecção diante da Natureza sem invasão, tardes de beleza que dói de tão lindas, tardes de encontro com a totalidade.











Minhas tardes não são tardes de Itapoã, nem me atrevo a dizer ao poetinha que eram tardes em uma praia qualquer, tardes cheias de nada ou lotadas por apenas aquilo que meus olhos fitavam e minha mente nem se atrevia comentar. Tardes  silenciosas e plenas de luz em todas as direções.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Lápis x Canson
Tamanho A4
Linhas da Existência II
Branco/Preto

Entre densidades e levesas, entre cores da terra e cores do céu, entre a dualidade de ser e existir, do bem e do mal, elas, as linhas aparecem para dividir os momentos de lucidez e loucura da visão sobre o TUDO que é ao mesmo tempo o NADA. 
Neste exato momento apenas formas e degrades do preto e branco podem explicar o que vejo, que na verdade sinto...Os olhos dos sentimentos se revelam assim....

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Proibições!
Desde que o mundo é mundo, desde a maçã da serpente no Éden e a mordida de Eva tudo que é proibido diante da consciência do homem é buscado pela determinação da nova experiência...
Nem sempre essa experiência é humana...

Técnica Mista x Canson A4
Entre densidades e levesas, entre cores da terra e cores do céu, entre a dualidade de ser e existir, do bem e do mal, elas, as linhas aparecem para dividir os momentos de lucidez e loucura da visão sobre o TUDO que é ao mesmo tempo o NADA. Nem sempre vejo coisas, mas, com certeza, sinto coisas que só podem ser expressadas por linhas (como para ordenar o caos) e cores para aliviar as dores...

Lápis Aquarela x Canson
Tamanho A4

Bailar ao som de Astor Piazzola; bailar ao som dos cantos dos pássaros; bailar, bailar e bailar...
O baile e a bailarina um momento único...
A bailarina ao som de "Una Cabeza"...
A bailarina, a música e o vinho...
Instantes de encontro consigo mesma...
Instantes de vida plena...
Apenas uma viagem!


Lápis Aquarela x Canson - A4

sábado, 31 de julho de 2010

Recriando Sentimentos


 

 

 

 Recriando sentimentos, alimentando-os, acalentando os sonhos e desejo.


 

Em quantos momentos da vida nos pegamos pensando coisas como:

- Para que sonhar?
- Que saudade que tenho de algo que "não sei ao certo o que é"!
- Como mudar os paradigmas internos e tornar a vida mais completa, mais feliz?
...ou em vários momentos nos tornamos caçadores de consumo em massa para abrandar
estas inquietações.
Vamos olhar de frente para essas situações que nos parecem tão conhecidas e trocá-las
pelas desconhecidas.Jogando fora muito dos vícios emocionais e de pensamentos, podemos começar a trazer novidades para nosso aspecto introspectivo.
Um dia de cada vez, um segundo de cada vez, e logo estamos vivendo de maneira diferente e claramente nova. Estaremos sem a ansiedade anti naturalmente natural. Nossa Natureza é perspicaz por si mesma. Nossa natureza é calma por si mesma.
Apenas aprendemos de maneira errônea a nos comportar como a maioria e a maioria está
emocionalmente corrompida.
Vamos praticar, um pouco de cada vez, nossas mudanças interiores e observar o que acontece?

 

 

Projeções de Pensamentos ( Quando as emoções falham)

 

 

Não deixando de lado que somos responsáveis por tudo que atraímos a intenção deste livro é demonstrar na praticidade como você pode passar pelos problemas do cotidiano sem deixar que esses mesmos problemas o arrastem ao centro do negativismo, ou aos vícios emocionais, porque agora você tem a informação consciente que “todos atraem o que pensam, ou o que projetam” a todo o momento e não devemos esquecer que “da mesma maneira que atraímos também somos atraídos”.
A parte que cabe a nós é observar com muita atenção o que nos cerca durante o dia (porque estamos conscientes) e buscar o desvencilhamento das armadilhas ou de qualquer situação que te coloque fora do eixo, até mesmo de seus pensamentos e sentimentos ruins. “Orai e vigiai” cabe aqui como conhecimento incontestável.
Observar com atenção não é igual a “controlar” as situações à nossa volta. Observar com atenção significa, observar nossos gestos, nossos sentimentos, nossos pensamentos, nossos corpos, diante do cotidiano.
Nós não controlamos coisas ou situações porque agora confiamos no que sentimos; agora temos consciência que o “controle” é apenas uma ilusão criada por nós e que passamos até aqui acreditando que tínhamos esse poder.
Observar com atenção é simplesmente ficar atento sem julgar os fatos.
Observar com atenção é o mesmo que não deixar que coisas fora de você, ou na maior parte do tempo dentro de você mesmo, te arrastem para longe dos seus sonhos, desejos e até necessidades de uma vida plena.
Você já percebeu que algumas vezes você pensa:
- Era melhor ter ficado dormindo! Isto é dito num daqueles dias onde nada acontece como você programou, ou apenas porque tropeçou em uma pessoa que te arrasta (em função de uma discussão boba, de uma palavra dita no momento errado) ao teu centro de total negativismo e que te leva direto para os vícios emocionais fazendo com que você passe o dia remoendo o ocorrido.
Diante da perspectiva de que já assumiu a responsabilidade por sua vida (de que atraímos tudo que pensamos) vamos agora, juntos, observar, com muita atenção porque esta pessoa atravessou seu caminho com tanta facilidade e hostilidade e, também com tanta força sobre suas emoções arrebatando todo aquele seu bom humor inicial com o qual você acordou, fazendo assim com que comece a passar mal, com que fique nervoso, deixando um mal estar emocional, portanto um mau humor, durante todo dia, ou no mínimo, durante muitas horas.
Na verdade estou falando sob hipóteses, por isso, insisto em que são exemplos fictícios, mas há pequenos fatos do dia a dia de qualquer pessoa, que podem diferenciar destes exemplos e que podem ser abordados da mesma maneira.
Um dia, ao acordar, de bem com a vida, temos certeza de que tudo está certo neste dia, tudo está muito bem, nos sentimos bem nesta manhã de grande tranqüilidade, achando que tudo será lindo. Tomamos nosso café, pegamos a chave do carro e nos direcionamos até ele. Surpresa! Pneu furado. Lá se vai a roupa limpa, a mão limpa, o banho que acabamos de tomar. Pensamos:
- Pootz! O dia começou péssimo! Enganei-me!
- Já estou vendo o que me espera!
E é claro que já está vendo um dia todo atribulado e quem sabe mais atribulado que o dia anterior, um dia de mal agouro.
Troca o pneu, em completo mau humor e sai. Já mal humorado os pensamentos ruins te dominam. Aquele contrato que está tentando fechar com aquele cliente e não consegue, ou, aquele cliente que está enrolando para fazer a compra, ou ainda, “seu chefe estava esquisito ontem e só pode ser contigo”...
Bem! Você acordou bem! Tudo estava ótimo até a visão pavorosa de um pneu furado detonar em sua mente todos os pensamentos que, acreditava, estavam sob controle.
Culpa do pneu!
Se não fosse o pneu seu humor estaria ótimo.
Culpa do cliente, do chefe, da vida, que não te tratam com o respeito que merece e, agora, nem o pneu te respeita.
E é assim que segue durante o dia; fora do eixo, nervoso (a) e sem perceber, que era “apenas e simplesmente um pneu furado”. Um probleminha, como outro qualquer, mas que te arrastou para todo um processo de lamentações e desânimo.

No trabalho seu cumprimento aos colegas já é daquele jeito, todo para dentro, sem humor, sem alegria, sem animo.
Se te perguntam (e você quer, inconsciente ou conscientemente que te perguntem) o que há de errado contigo logo responde (alimentando assim o seu próprio mal estar):
- O dia já começou péssimo pois acordei trocando um pneu!
Não é verdade! Você acordou de bom humor, banhou-se, escovou seus dentes, tomou seu café e tudo parecia bem, até a visão do pneu.
Certo?
Então o que aconteceu que fez seu humor mudar tão rápido?
Um pneu?
Você sabe que não é verdadeiro o que está dizendo ou pensando, mas diz e pensa mesmo assim, porque acredita que estes momentos são verdadeiros; acredita que o fato do pneu ter furado era a “gota dágua para tirar você do sério”
Você não parou, por instantes, para rever o fato e você diante dele. Não se observou durante o processo, por isso, a responsabilidade do mau humor passa a ser do pneu furado.
Pense comigo: Algo inanimado teve esse poder sobre você! Imagine agora você falando com o pneu (claro que estaria proferindo palavras nada sutis), responsabilizando-o de estragar seu dia.
Isso realmente é para você rir de você mesmo. Veja o poder que você dá para algo fora de você, mesmo que inanimado, você dá o poder de um pneu te tirar do eixo.
Imagine agora se fosse algo com pessoas. Você provavelmente reagiria pior que isso, muitas vezes sentindo vontade de agredir a pessoa.
Certo?
Talvez não! Talvez não fizesse nada disso e apenas continuaria a lamber a ferida o dia todo.
Como ficar remoendo o fato irá resolver aquele algo que está dentro de você?
E passando assim, parte da sua vida, responsabilizando, pessoas e situações fora de você pelo seu cansaço, pela sua tristeza, pela sua mágoa, pela sua raiva, enfim por coisas que só pertencem a você, chega ao momento de extremo descontrole.
Um pneu ou uma pessoa tem a mesma importância para você; coisas ou pessoas tem o mesmo peso e medida, quando você reage desta forma. Observe que o peso real é o que está dentro de você e está mal resolvido. O peso que você está dando ao pneu e ao próximo é o mesmo que: - “o Poder que as pessoas tem, em ferir você, é aquele que você dá” para justificar que algo ou alguém, ou enfim, que coisas fora de você, te desestruture e assim você continua sem assumir responsabilidades sobre seus sentimentos, pensamentos e ações.
O pneu furado funcionou como seu espelho, por alguns momentos, como estopim. Toda responsabilidade que você colocou, nestes momentos, sobre o pneu (objeto inanimado) são apenas cargas emocionais suas e são, cargas emocionais, mal resolvidas.
Você de certa forma criou o pneu furado, de maneira consciente ou inconsciente, você até sabia que isso poderia ser fato consumado, já que o pneu precisava de consertos ou mudanças, ou estava com libras erradas (e foi adiando, como tantas coisas na sua vida que são outras prioridades), ou que com certeza, um prego fura qualquer pneu, portanto quem tem carro, tem uma família à parte, já diz o dito. O que não é normal na seqüência é você desestruturar todo seu dia, jogando em cima do pneu todas as outras coisas que você deixou de resolver, portanto elas, as emoções mal resolvidas estão se acumulando e fazendo barulho de dentro para fora de você.
Sob a hipótese de que não foi um pneu quem te deixou com os nervos à flor da pele, mas, sim, aquela pessoa, que de repente, dentro do ônibus, pisou no seu pé e isso fez com que você sentisse dor (e isso dói mesmo) e muita raiva, dentro de um ônibus cheio. Sentiu dor e raiva e calou-se buscando o bom senso, mas de verdade ficou com aquela pisada e a pessoa dentro da cabeça, remoendo o fato: - Eu deveria ter dito algo!
- Como sou tolo (a)!
- Que pessoa mal educada aquela!
E mais, conta para as pessoas (alimenta o mal estar) que uma pessoa mal educada, logo cedo, num ônibus lotado, pisou no seu dedão do pé, causando “uma dor” e “uma raiva” e que você não fez nada, alimentando assim a dor e as lamentações.
Vamos rir de novo. A pessoa que pisou no seu dedão do pé, pisou e foi embora, nem percebendo que fez isso, e, principalmente, nem sabe quem é você. Mas você passou o dia achando que deveria ter ficado dormindo, já que logo cedo, “uma pessoa (mal educada) pisou em seu dedão, e depois o chefe resolveu ser mais assertivo com você que, sem querer, deu uma mancadinha (porque estava disperso em pensamentos de lamentações) de nada no trabalho”.
Tudo se torna a gota dágua para um grande desabafo, de sua parte, que muitas vezes nem desabafa.
- Ufa! Que dia!
Convenhamos que novamente o fato de você levar uma pisada, não desconsiderando a dor (e dói mesmo), não poderia tirar você do eixo desta maneira, inclusive te deixando desatento (a) ao serviço que fazia gerando, em seguida, uma bronca do chefe. Você atraiu a bronca do chefe.
Estas são duas hipóteses muito simples do que realmente somos capazes de atrair como espelhos em nossas vidas e que realmente atraímos quando não nos confrontamos com nossos sentimentos e pensamentos.
Pessoas que, do nada, te agridem, pessoas que encontram um gancho durante uma conversa com você e, novamente, te agridem, são grosseiras com você, te colocam pra baixo, te deixam em palpos de aranha porque te levam ao limite da impaciência e estes fatos tiram você do eixo, são espelhos daquilo que você está representando.
Você deve estar se perguntando como pode ter atraído o pneu furado se acordou bem e estava com bons pensamentos e sentimentos. Está claro que o pneu furou dentro das seguintes características:
Um pneu velho fura.
Um pneu careca fura.
Um pneu novo, com um prego penetrado, fura. Uma mente que está ocupada em fazer dinheiro, reza pro pneu não furar, porque sabe que ele furará na primeira oportunidade.
Uma mente ocupada com o sustento da família com a venda do produto, com a pressa de chegar ao emprego, relega um pneu ao segundo plano, porque tudo é mais importante que o pneu. E não é assim. Você, inconscientemente está se maltratando quando sai de casa já preocupado(a) com esta situação e consciente de que corre riscos.
Então a responsabilidade não é do pneu, um ser inanimado. Uma mente preocupada com outras coisas em relação à vida, preocupada com o passado ou com o futuro, pode mesmo sabotar sua saída de casa, pela manhã, inclusive chamando, inconscientemente, um prego no pneu novo.
E quantas vezes esse mesmo prego estará salvando você de situações mais perturbadoras?
Já imaginou que pode ser assim?
Um prego furando um pneu pode apenas estar sendo o limite para você parar por instantes!
“Uma mente ocupada com coisas do passado ou do futuro sabota todo o momento presente.”
As pessoas, ainda, dentro de uma grande parcela da humanidade, não compreendem que viver no passado, lamentando perdas, sustentando mágoas, tristezas, infelicidades do passado no presente, vai atrair, todos os espelhos necessários para confirmar que está certa.
Pare por instantes para pensar nisso. Sinta essas informações dentro de você.
Uma pessoa que, de repente, se aproxima de você e seus sentimentos não são bons em relação a ela, é um espelho seu.
“O que há nela, que você não gostou, é, exatamente, aquele algo que está em você e que ainda não se deu conta de forma consciente que faz parte de seu repertório diário.”

 

 

 

 

Projeções de Pensamentos - Você atraí seu sucesso...

 


                                Capítulo Único

Vimos nos dois livros anteriores como nos libertar dos vícios emocionais como, magoas tristezas, raiva, desamor, etc...             Vimos, afinal, como mudar os paradigmas internos e as atitudes externas.
Agora veremos como atingir nossos propósitos partindo da projeção de novos pensamentos, novas idéias, novas imagens.
Agora sim vamos buscar tudo que necessitamos pela Lei da Atração ou pela Projeção Mental.
Neste livro demonstrarei como atingir a nova sintonia com tudo que é novo porque de forma consciente ou inconsciente aprendemos que quando largamos tudo que conhecemos do passado entramos no novo e, portanto nada conhecemos do novo e aprendemos a confiar naquilo que não é conhecido. É aí que Deus age. Já não buscamos crer naquilo que está fora de nós, mas, sim, em algo que não conhecemos em nós e é nisto que habitamos. Paramos de querer controlar as coisas, pessoas ou qualquer situação à nossa volta.
Partindo do princípio que conseguimos compreender um pouco mais como deixar o passado, os velhos valores, os velhos paradigmas, o todo velho para trás, sem culpas, sem julgamentos, fica mais fácil compreender, também, como estamos agora abertos para atrair o todo novo.
Minha consciência deixa claro que não estou falando aqui nada de novo, nada diferente do que você já tenha lido ou ouvido, em outros momentos da sua vida, mas minha consciência também deixa visível que é necessário dizer tudo, novamente, numa linguagem simples, sobre aquilo que vem sendo dito há muito tempo por tantas pessoas no planeta. Muitos são os escritores que escrevem e estas mesmas pessoas são ao mesmo tempo testemunhas silenciosas dos pequenos ou grandes milagres que conseguiram conquistar.
Mais forte que todos os livros espalhados pelo planeta afirmando que podemos atingir nossos sonhos e desejos. Jesus já dizia tudo isso através de suas parábolas há 2009 anos atrás:

“Tende a fé de Deus. Em verdade vos afirmo, que todo o que disser a este monte: Tira-te, e lança-te ao mar, e isto sem  hesitar no seu coração, mas tendo fé de que tudo o que disser, sucederá, ele o verá cumprir assim. (Evangelho de S.Marcos, Fé e Oração,22,23,24, N.T).”
Agora basta você acreditar e mudar seus paradigmas internos e ações externas.
Nosso maior sucesso, do meu ponto de vista, está em deixarmos para trás tudo que é de lá de trás em termos emocionais e sentimentais e mesmo os materiais.
      Nosso maior sucesso está, entre outras coisas, em libertar tudo aquilo que pensamos uma vida inteira que podíamos controlar ou dirigir sozinhos e  em seguida atingir uma meta de forma determinada, independente de qual seja a meta, mesmo que seja apenas parar de fumar por consciência e soltá-la sob a ótica da nova energia, mas, com certeza, sem tentar controlar.
      Perdoar tudo que já passou é como estar livre para receber o novo, que se transformará muitas vezes  “no  velho a ser perdoado”.
Quero dizer com isso que todo o novo será em seguida o velho, o presente que se tornará passado e que sempre cometeremos erros, mas que conscientemente aprendemos a soltar o passado.
Estarmos atentos ao novo momento é o que move a vida, é o que ao mesmo tempo remove todos os sentimentos e pensamentos que já estão com prazo de validade vencida.
No primeiro livro nos firmamos no aprendizado e estabelecemos a conexão com o aprendizado, portanto, nos comprometemos a estar sempre livres ou limpos de sentimentos e emoções estagnadas, para aprender as novas lições.
No segundo livro nos decidimos a entender e compreender o poder da DECISÃO, portanto, aprendemos sobre a determinação, i.é, passamos a compreender o que é a real observação dos fatores que nos impedem de chegar onde devemos estar e nos decidimos de maneira consciente em desenvolver o seu oposto.
Por conseguinte nos dispomos a ter fé no lugar da desesperança porque aprendemos que nosso verbo é poderoso e, se assim é, nos decidimos em deixar a cegueira e a surdez (diante de atitudes repetitivas) e seguir o caminho do otimismo e do novo porque é nele que se encontra o Criador. A compreensão de que somos co-criadores nos faz repensar toda a nossa existência e sem julgamentos mudar tudo que nos arrasta ao mal estar.

 

Sobre Mim

Decidi escrever e colocar em livros toda a experiência e aprendizado que fui recebendo durante o processo de transição entre esta mudança de espaço físico e espaço tempo, por isso, mudanças externas e internas.
Novos horizontes acontecem dentro e fora de nós, com ou sem dor, mas, acontecem, e, nem todas as mudanças, de território, de espaço ou tempo, mudanças externas e internas, nem sempre são maravilhosas e, junto com essas mudanças sempre virão outras, externas ou internas. O grande dilema é como acompanhar todas as mudanças que ocorrem o tempo todo fora e dentro de nós. Sempre buscando colocar em pratica tudo que aprendo, sempre abrindo espaço, dentro de mim, para mais aprendizado, cheguei a essas páginas num esforço de demonstração de como coisas em nossas vidas mudam sempre de dentro pra fora.Não me considero uma escritora e sim uma livre pensadora e foi isto que me trouxe até aqui para mostrar meu desejo real de ajudar meu próximo em maior escala neste momento tão complicado que o planeta vive, baseada em minhas próprias experiências e nas buscas que fiz para compreender quem realmente sou e a que vim.
Entendo que se todos nós, conseguirmos ser melhores conosco mesmos seremos melhores em tudo.

Uma minibiografia. Rápida. Conscisa. Fiz a escola primária, há meio século. Fiz o segundo grau. Fiz colegial. Fiz cursinho, mas advinha, não fiz faculdade.Gostava de humanas e tinha que passar pela tortura de estudar exatas também. Fiz Escola Panamericana de Artes até o segundo ano, e saí, intempestivamente, para estudar pintura com outros artistas. Me formei autodidaticamente. Expus por algum tempo, com um grupo de artista, no Espaço Cultural Caminho. Um dia tudo mudou em minha vida e passei a estudar tudo que podia sobre P.E.S., Esoterismo, Ocultismo e assim por diante. Na verdade sempre fui um espírito indomável. Impulsiva, não parava muito para pensar nas consequências quando desejava algo. Eu ia, e fazia. Muitas vezes essas coisas davam certo, mas na essência, eram sempre pela metade, como eu era. Hoje com 58 anos, uma ariana ainda, sou mais observadora, mas concentrada naquilo que desejo, mas continuo sonhadora, otimista e menos ilusionista quanto ao que realmente posso ser ou fazer.Agora sei que posso ser e fazer o que desejo, que posso ter sem muito esforço físico, porque aprendi que o Amor por mim mesma me trouxe a paz, a aceitação de quem sou realmente e não mais o que esperam que eu seja.
Enfim sou Artista Plástica e Artesã, sou Taróloga e Terapeuta Alternativa e agora minha intenção é colocar em linhas escritas tudo que aprendi com a convivência comigo mesma e com tudo que me cerca, me considerando assim, uma livre pensadora, com um novo caminho de expressão...Os livros! Livros que li a vida toda, coisas que escrevi durante toda a minha vida, pensamentos e ações, mas principalmente meus sentimentos em relação à vida.
Creio em Deus acima de qualquer coisa e decidi viver de forma total acreditando assim que as mudanças ocorrem, gostemos ou não, elas existem para nosso melhor poder brotar, porque a semente já está lá, e nos perdemos em algum momento. Hora de brotar, hora de nascer e florir.
O que desejo para mim é o que desejo para quem entender a proposta.
Viva a vida louca! Viva o Amar a Si Mesmo como Amar o Seu Próximo!!!
Deus abençõe a cada de meus visitantes e ajude-os nesta caminhada para o Encontro do Ser que vocês realmente são...               

O Vôo da Borboleta





  O Voo da Borboleta


 Esta é uma série de desenhos criados a partir do corel draw da minha máquina.

Minha identificação com as Borboletas é o mesmo que me identificar comigo mesma, com o esforço que é necessário fazer para sair do casulo, a cada dia, a cada desejo, a cada momento que seja necessário RENASCER NOVAMENTE..


              
                                                              
A lição da  Borboleta         

"Um dia uma pequena abertura apareceu em um casulo. Um homem sentou-se e ficou observando por horas. De dentro, uma borboleta se esforçava para fazer seu corpo passar pela pequena fenda.
Pareceu, por instantes, que ela havia não conseguiria progresso maior.
O homem em sua bondade e generosidade decidiu-se a ajudar a borboleta pegando um tesoura e cortou o casulo. O homem continuou a observar a borboleta. Nada acontecia. Seu corpo fino e suas asas murchas foi o que restou à pequenina. Este homem não sabia que Deus preparou a borboleta desta forma para que em seu esforço o fluído de seu corpo fortalecesse suas asas durante o esforço para a arrancada do casulo e assim ela estria pronta para voar..." (texto de um PPS recebido)
Em muitos momentos é exatamente de esforço que precisamos em nossas vidas...
Mesmo que não compreendamos, Deus está nos proporcionando aquilo que pedimos. Se necessitamos de força, em muitos momentos recebemos dificuldades para nos tornarmos forte, mesmo que não gostemos, é isso que é necessário no momento.
Problemas para resolver é sinal de Sabedoria a receber.
Ainda penso que o homem não compreende a BONDADE e AJUDA em seu real teor.
Nem sempre aquilo que o homem faz é aquilo que é certo.
Muitas vezes é melhor ensinar a pescar do que dar o peixe, diz o ditado. As boas intenções nem sempre são as melhores opções.
Por isso é sempre melhor buscar a SABEDORIA em primeiro plano e deixar que a natureza realize o restante. 
 Todos os desenhos desta página são de minha autoria. Alguns são feitos no Corel Draw, outros, ainda, à moda antiga em papel canson e lápis aquarela, outros em acrílico sobre tela.


Além do interesse em partilha-los com vocês, também estou aberta para negocia-los a partir do blogue.

Entre em contato por  email .

A cópia desses trabalhos podem ser salvas em seus computadores, mas, por favor, se for da vontade de vocês copia-los para suas páginas, se puderem coloquem a URL do link.
Grata a todos e continuem a viagem comigo por todo o blogue.




A Janela


Mesmo e apesar de estarmos , muitas vezes, dentro da escuridão interna, sem encontrar a luz no final do túnel, se olharmos, com vontade de observar este momento, veremos que logo à nossa frente a resposta nos espera, assim, como uma janela aberta mostrando a Luz imensa que vem do SOL, iluminando toda a Natureza à nossa volta e a nossa própria.




 







 








O desenhos produzidos em Corel Draw x Papel Foto são vendidos
a R$ 7,50 (sete reais e cincoenta centavos) cada um sem molduras, e em tamanho A4.
Os tamanhos podem ser modificados conforme necessidade da decoração em ploter, e o preço será a combinar.

 

 O Sonho

Esse desenho é realmente baseado em um dos inúmeros sonhos que tenho durante o sono.
 Conseguir compreender todo o significado dele foi, para mim, uma grande lição psicológica, espiritual e na verdade um grande resgate...
Lápis Aquarela sobre papel Canson  - A4
Valor  = R$ 70,00


O Ser, a Antropogenia e a Natureza...


Uma viagem pela mente. Um sonho acordada.  O lúdico que  se encerra na infância. Olhando nuvens e sonhando acordada, semi - nua, pura e ousada, a personagem sabe o que é estar livre verdadeiramente...







Espaço e Tempo I
    A fuga


Brincando de definir um espaço onde eu possa sonhar, acordada e coloridamente,colorida - mente,  sem justificar o que vai no meu peito para aqueles corações que andam sentido em branco e preto.

Corel Draw x  - Papel Couchê- A4 - Fosco






Espaço e Tempo II
                                                                A Interação - ou quem sabe....Inteira Ação?

Viajar por movimentos circulares, subindo e descendo como uma nave que busca pousar na beleza do Infinito, desenhando mais estrelas...


Corel Draw x Papel Couchê -A4 - Fosco


 Construções I

Não custa imaginar! Não custa pré sentir! Agora é materializar o espaço dos sonhos...
Dos SONHOS?
Caixinha de sonhos onde posso ver o além do céu...

 
Corel Draw x Papel Couche - A4 - Fosco



                                                                       O Portal  I

E aqui vou eu...
Recomeçando a viagem que me levará a novas estradas, novas entradas, novas certezas que se desfarão depois de algum tempo para abrir um novo portal para nova viagem, novas estradas, novas entradas, novas certezas que se...
A vida segue.







O Cavalete 

Corel x Papel Couche - A4 - Fosco

Do cavalete do artista, as ideias saltam, vibrando em cores e formas, ou nem sempre em formas e nem  sempre em cores . Pode ser em preto e branco. O que importa mesmo, é que o cavalete nunca fica vazio mesmo que aparentemente esteja. Ele tem vida própria .Basta olhar para o Cavalete e ele diz - Estou aqui esperando que novas mensagens passem por mim. E compulsivamente o artista o atende. E, novamente, saltam dali novas formas e cores, ou nem sempre formas e cores, e nem sempre cores...



                                              Marina XXX

                                       Acrílico x Tela - 70 x 50



Quando a Alma Chora

Acrílico x tela - 40 x 50 (vendida)














                         Um pássaro, Uma noite  Um          sonho
                               
                         Acrílico x Tela - 1,00m x 80cm

Posted by Picasa









sexta-feira, 30 de julho de 2010

A Arte de Reunir

O propósito do blogue é reunir arte, religião e ciência para deixar que o leitor defina em si mesmo sua filosofia de vida.
Oferecer ao leitor aquilo que realizo no meu quotidiano, como desenhos, pinturas, ilustrações, meus pensamentos e os pensamentos e trabalhos dos muitos amigos que tenho nesse mundo da realidade virtual.
Oferecer meus cursos e livros para uma maioria de visitantes e seguidores.
Gratidão
Paz e Luz

Um pensamento, um sentimento resolvido = um Insight


Hoje, por uma fração de segundos, um pensamento, daqueles que são tão rápidos que nem temos tempo de retrucar, assolou meu ser.
Estava eu com uma dor, quase crônica, do lado esquerdo do corpo e esforçando-me para lidar com ela. Entendo que dores são sintomas de algo que estamos somatizando, uma emoção mal resolvida, um sentimento que não conseguimos verbalizar por falta de informação sobre o mesmo, ou ainda, apenas um antigo sentimento que nos incomoda de forma acirrada durante o processo da vida por que tememos lidar com ele e, que de qualquer forma que for olhado veremos o medo, por disfarce, nesses sentimentos. Voltando ao assunto, eu estava buscando enfrentar essa dor quando esse pensamento cercou tão rápido e intensamente, minha mente, que não houve como responder, no diálogo interno, e o que percebi é que esse mesmo pensamento trazia em si mesmo a resposta.
Compreendi, numa fração de segundo, aquilo que não consegui durante a vida toda de busca. Compreendi que os conflitos entre Ser e Estar, a dualidade, os opostos em mim, realmente traz as soluções em si mesmo.
Pois bem; minha dor era real e do mal é claro.
- Certo?
- Certo!...Toda dor é do mal!
Errado! Vi pela primeira vez que essa dor ocorreu para chamar minha atenção para algo que não observava no contexto de tudo que estudo sobre mim e sobre minha ligação comigo mesma, com Deus, com os Anjos e com o próximo. O medo de enfrentar determinados padrões de pensamento, de sentimentos e muitas vezes, em conseqüência, o próprio comportamento, pode causar dores e ou doenças graves como já sabemos.
Percebi que essa dor estava respondendo para mim, através do meu corpo e que nunca fui educada para crer na bondade de uma dor como algo intrínseco na minha relação com a vida e demonstrarei isso.
“Descobri que acredito no mal acima de qualquer suspeita e quando chega à vez do bem sou cheia de suspeita...”
Funcionamos na maior parte do tempo assim. Sem confiar nas coisas boas, mas com absoluta certeza nas coisas ruins.
Tem um ditado popular que diz:
“Quando a esmola é demais até o santo desconfia”
Isso chega a ser uma barbaridade, sem tamanho, no sentido que estraga a nossa fé nas coisas boas que nos cercam.
Estou me usando em primeiro plano, como personagem desta percepção, pois ela aconteceu comigo, sendo um momento meu e que estou buscando dividir, ou quem sabe somar, com informações que você tem sobre si neste mesmo caminho de busca.
Acredito que uma pessoa ser invejada é algo real, mas que a INVEJA alheia é um sentimento do outro não podendo nos atingir, exatamente porque ocorre na mente do outro, não é suficiente para que eu creia que ela não me atingirá.
Certo?
Errado novamente!
A INVEJA (ou Cobiça) pode nos atingir sim, sem nos consultar, se em nós houver um minúsculo espaço de dúvida sobre este sentimento. Se eu creio que o outro pode invejar (cobiçar) minhas coisas fica claro aqui que acredito na INVEJA e não em seu oposto. Anular um pensamento de Inveja não é o mesmo que anular o sentimento da Inveja em mim e principalmente no outro. Se este sentimento está, mesmo que disfarçado em mim, ele existe em mim, portanto é necessário que eu trabalhe para limpar esse lixo interior porque infelizmente é nele que acredito mais que no seu oposto que seria a Doação. Deixo claro que estou utilizando o exemplo da Inveja (não sendo este sentimento pelo qual fui envolvida em meu insight), mas é comprovado que isso ocorre em todas as outras áreas em nós, como Amor, Orgulho, Ira, Vaidade, Egoísmo, Avareza ou mesmo a Gula.
Percebi que o pensamento atravessador era do bem, mesmo que machucando meu corpo como uma forma de expressão realmente desagradável como a dor no nível do insuportável.
Agora cheguei à luz da solução.
Ao olhar para a dor, como um ente, percebo que ela fala comigo numa linguagem, no mínimo estranha. E diz-me o seguinte:
- Estou aqui para ensinar que isso deve ser ultrapassado. Este é o momento de ultrapassagem do problema. Não adianta se encolher, fingir que não vê, porque estou bem aqui, e apenas sairei quando o problema estiver resolvido e, portanto, trago a solução junto.
- Quer aprende-la?
Eu, em silêncio, percebo que a Senhora Dor continua a dissertar em voz branda (se é que posso chamar de dor e não ser confundida com esquizofrênica?) o que ela está representando para mim naqueles momentos. Ela trás inserido em seu conteúdo de dor tudo que é necessário para que eu saiba sobre mim mesma; tudo que eu fiz questão de não ouvir ela despeja com suavidade sobre meus sentimentos, sobre mim mesma. A dor começa a suavizar. A dor fica mais amena enquanto o monólogo da Senhora Dor continua.
Faz-me relembrar momentos que tentei apagar da mente. Me trás outros em que eu sabia como solucionar problemas de ordem emocional ou sentimental. Faz com que eu viaje na atemporalidade; dentro e fora de mim ela força meu reconhecimento de momentos vividos e como disfarcei outras dores; como abandonei certas respostas em alguns desses momentos e como me vali de outros para encontrar soluções.
Esses pensamentos todos giraram em torno de segundos que foram eternos e na verdade eu só o ouviria, no sentido de sentir, se estivesse prostrada pela dor.
Sempre ouço o dito popular de que só aprendemos pela dor, pelo sofrimento, mas nunca parei para avaliar a verdade disso. 
Hoje compreendi.
Compreendi que pela dor, mesmo que a física, como a que eu sentia, tive um grande insight fazendo com que essa mesma dor se resolvesse sozinha, sem remédios, sem paliativos. Dores pelo corpo são gritos desesperados de nossos sentimentos que desejam ser observados, avaliados e resolvidos.
O melhor remédio é o choro em alguns momentos.
Diz também o dito popular que o choro lava a alma. E todos nós sabemos que isso é verdadeiro. Mas não cabe aqui afirmar que é apenas chorar e o problema está solucionado. O insight que vem junto com um choro e que não prestamos atenção é o que coloca fim nas situações de impasse em nós e nossas vidas. É evidente que se olhar sob o prisma que apresentei neste texto isso que ocorre em nosso interior é muito real; irreal passa a ser o que fazemos do nosso cotidiano porque não temos essa visão do todo que somos e das coisas concretas que ocorrem em nosso interior.
Meu empenho neste texto é que de hoje em diante você realmente se observe mais, avalie com seriedade os sintomas em seu corpo, fale diretamente com eles, busque dentro de você as respostas para solucionar problemas reais do seu cotidiano não se esquecendo que mais real ainda é o seu interior. O “Ser” vivo em você reclama através de sintomas de dores, de tristezas, de desânimo, de raiva, de ira às vezes, porque quer se expressar para você, a única pessoa que importa para ele diante das dificuldades.
Dê atenção ao seu corpo, ao seu silêncio, aos sintomas em você, aos sentimentos e emoções que você carrega e até aos pensamentos. Não permita que tudo que isso possa vir à tona em você domine seu comportamento.
Converse seriamente com seu corpo, com você mesmo, medite e relaxe colaborando assim com a expressão mais verdadeira do Si Mesmo para encontrar soluções para seu dia a dia.

Todas as respostas estão, verdadeiramente, dentro de você.

Paz e Luz

Hoje, por uma fração de segundos, um pensamento, daqueles que são tão rápidos que nem temos tempo de retrucar, assolou meu ser.
Estava eu com uma dor, quase crônica, do lado esquerdo do corpo e esforçando-me para lidar com ela. Entendo que dores são sintomas de algo que estamos somatizando, uma emoção mal resolvida, um sentimento que não conseguimos verbalizar por falta de informação sobre o mesmo, ou ainda, apenas um antigo sentimento que nos incomoda de forma acirrada durante o processo da vida por que tememos lidar com ele e, que de qualquer forma que for olhado veremos o medo, por disfarce, nesses sentimentos. Voltando ao assunto, eu estava buscando enfrentar essa dor quando esse pensamento cercou tão rápido e intensamente, minha mente, que não houve como responder, no diálogo interno, e o que percebi é que esse mesmo pensamento trazia em si mesmo a resposta.
Compreendi, numa fração de segundo, aquilo que não consegui durante a vida toda de busca. Compreendi que os conflitos entre Ser e Estar, a dualidade, os opostos em mim, realmente traz as soluções em si mesmo.
Pois bem; minha dor era real e do mal é claro.
- Certo?
- Certo!...Toda dor é do mal!
Errado! Vi pela primeira vez que essa dor ocorreu para chamar minha atenção para algo que não observava no contexto de tudo que estudo sobre mim e sobre minha ligação comigo mesma, com Deus, com os Anjos e com o próximo. O medo de enfrentar determinados padrões de pensamento, de sentimentos e muitas vezes, em conseqüência, o próprio comportamento, pode causar dores e ou doenças graves como já sabemos.
Percebi que essa dor estava respondendo para mim, através do meu corpo e que nunca fui educada para crer na bondade de uma dor como algo intrínseco na minha relação com a vida e demonstrarei isso.
“Descobri que acredito no mal acima de qualquer suspeita e quando chega à vez do bem sou cheia de suspeita...”
Funcionamos na maior parte do tempo assim. Sem confiar nas coisas boas, mas com absoluta certeza nas coisas ruins.
Tem um ditado popular que diz:
“Quando a esmola é demais até o santo desconfia”
Isso chega a ser uma barbaridade, sem tamanho, no sentido que estraga a nossa fé nas coisas boas que nos cercam.
Estou me usando em primeiro plano, como personagem desta percepção, pois ela aconteceu comigo, sendo um momento meu e que estou buscando dividir, ou quem sabe somar, com informações que você tem sobre si neste mesmo caminho de busca.
Acredito que uma pessoa ser invejada é algo real, mas que a INVEJA alheia é um sentimento do outro não podendo nos atingir, exatamente porque ocorre na mente do outro, não é suficiente para que eu creia que ela não me atingirá.
Certo?
Errado novamente!
A INVEJA (ou Cobiça) pode nos atingir sim, sem nos consultar, se em nós houver um minúsculo espaço de dúvida sobre este sentimento. Se eu creio que o outro pode invejar (cobiçar) minhas coisas fica claro aqui que acredito na INVEJA e não em seu oposto. Anular um pensamento de Inveja não é o mesmo que anular o sentimento da Inveja em mim e principalmente no outro. Se este sentimento está, mesmo que disfarçado em mim, ele existe em mim, portanto é necessário que eu trabalhe para limpar esse lixo interior porque infelizmente é nele que acredito mais que no seu oposto que seria a Doação. Deixo claro que estou utilizando o exemplo da Inveja (não sendo este sentimento pelo qual fui envolvida em meu insight), mas é comprovado que isso ocorre em todas as outras áreas em nós, como Amor, Orgulho, Ira, Vaidade, Egoísmo, Avareza ou mesmo a Gula.
Percebi que o pensamento atravessador era do bem, mesmo que machucando meu corpo como uma forma de expressão realmente desagradável como a dor no nível do insuportável.
Agora cheguei à luz da solução.
Ao olhar para a dor, como um ente, percebo que ela fala comigo numa linguagem, no mínimo estranha. E diz-me o seguinte:
- Estou aqui para ensinar que isso deve ser ultrapassado. Este é o momento de ultrapassagem do problema. Não adianta se encolher, fingir que não vê, porque estou bem aqui, e apenas sairei quando o problema estiver resolvido e, portanto, trago a solução junto.
- Quer aprende-la?
Eu, em silêncio, percebo que a Senhora Dor continua a dissertar em voz branda (se é que posso chamar de voz e não ser confundida com esquizofrênica?) o que ela está representando para mim naqueles momentos. Ela trás inserido em seu conteúdo de dor tudo que é necessário para que eu saiba sobre mim mesma; tudo que eu fiz questão de não ouvir ela despeja com suavidade sobre meus sentimentos, sobre mim mesma. A dor começa a suavizar. A dor fica mais amena enquanto o monólogo da Senhora Dor continua.
Faz-me relembrar momentos que tentei apagar da mente. Me trás outros em que eu sabia como solucionar problemas de ordem emocional ou sentimental. Faz com que eu viaje na atemporalidade; dentro e fora de mim ela força meu reconhecimento de momentos vividos e como disfarcei outras dores; como abandonei certas respostas em alguns desses momentos e como me vali de outros para encontrar soluções.
Esses pensamentos todos giraram em torno de segundos que foram eternos e na verdade eu só o ouviria, no sentido de sentir, se estivesse prostrada pela dor.
Sempre ouço o dito popular de que só aprendemos pela dor, pelo sofrimento, mas nunca parei para avaliar a verdade disso. 
Hoje compreendi.
Compreendi que pela dor, mesmo que a física, como a que eu sentia, tive um grande insight fazendo com que essa mesma dor se resolvesse sozinha, sem remédios, sem paliativos. Dores pelo corpo são gritos desesperados de nossos sentimentos que desejam ser observados, avaliados e resolvidos.
O melhor remédio é o choro em alguns momentos.
Diz também o dito popular que o choro lava a alma. E todos nós sabemos que isso é verdadeiro. Mas não cabe aqui afirmar que é apenas chorar e o problema está solucionado. O insight que vem junto com um choro e que não prestamos atenção é o que coloca fim nas situações de impasse em nós e nossas vidas. É evidente que se olhar sob o prisma que apresentei neste texto isso que ocorre em nosso interior é muito real; irreal passa a ser o que fazemos do nosso cotidiano porque não temos essa visão do todo que somos e das coisas concretas que ocorrem em nosso interior.
Meu empenho neste texto é que de hoje em diante você realmente se observe mais, avalie com seriedade os sintomas em seu corpo, fale diretamente com eles, busque dentro de você as respostas para solucionar problemas reais do seu cotidiano não se esquecendo que mais real ainda é o seu interior. O “Ser” vivo em você reclama através de sintomas de dores, de tristezas, de desânimo, de raiva, de ira às vezes, porque quer se expressar para você, a única pessoa que importa para ele diante das dificuldades.
Dê atenção ao seu corpo, ao seu silêncio, aos sintomas em você, aos sentimentos e emoções que você carrega e até aos pensamentos. Não permita que tudo que isso possa vir à tona em você domine seu comportamento.
Converse seriamente com seu corpo, com você mesmo, medite e relaxe colaborando assim com a expressão mais verdadeira do Si Mesmo para encontrar soluções para seu dia a dia.

Todas as respostas estão, verdadeiramente, dentro de você.

Paz e Luz

Auto Análise

Auto Análise
Já que todas as ações causam reações, prefiro vê-las, as ações, através das cores dos meus pensamentos e sentimentos.